Resenha: FLAGELADÖR / AXECUTER – Morticínio Produções

As bandas Flageladör e Axecuter uniram-se para presentear o público do metal nacional com um Split CD intitulado “Headbangers Afterlife”. Lançado neste mês pela Mindscrape Music, a primeira coisa que chama a atenção no trabalho, obviamente é a capa (já destacada anteriormente aqui no blog, confira aqui [http://morticinio.blogspot.com.br/2016/09/revelada-capa-de-split-entre-axecuter-e.html]). Uma ilustração divertida de uma festa entre headbangers no inferno. Destaque para os discos que aparecem na arte: “See You In Hell” do Grim Reaper, “Hell Awaits” do Slayer, “Hell Bent For Leather” do Judas Priest e “Welcome To Hell” do Venom. Uma perfeita trilha sonora “from hell”. O responsável pela arte da capa foi o artista Marcio Aranha. Todo o trabalho visual proporcionou um ótimo resultado ao álbum e merece os parabéns a todos os envolvidos. Nada como abrir um CD e se deparar com um encarte com as letras da banda, fotos e uma arte visual agradável.

O CD foi gravado em locais separados por se tratar de duas bandas distantes entre si. O Axecuter é do Paraná e o Flageladör do Rio de Janeiro. Assim sendo, as faixas da banda carioca foram gravadas pelo baterista Hugo Golon no estúdio Soundhouse e as faixas dos paranaenses foram mixadas e masterizadas no Estúdio Avant Garde em Curitiba-PR e produzidas pelo produtor Maiko Thomé e pelo vocalista e guitarrista do Axecuter, Danmented.

FLAGELADÖR:

“As Intermitências da Morte” (título de um livro do escritor português José Saramago) abre o trabalho como um clássico hino instrumental do metal. Guitarras em uníssono convocam os ouvintes para uma faixa do mais tradicional Heavy Metal. Um riff com uma “cavalgada” clássica se segue com uma cozinha muito marcante.

Em “Terceira Guerra Mundial”, o acelerador é acionado e o peso acompanha a velocidade. Speed Thrash Metal cru, com vocal rasgado e riffs oitentistas. Letra cantada em português e com teor de protestos. As palhetadas não são economizadas nos riffs desta faixa.

“A Canção do Aço” e “Sangue Negro, Alimento das Bestas” são faixas que te remetem diretamente aos bons tempos do Thrash Metal dos anos 80 e seguem despejando riffs velozes em uma veia Motörhead/Venom, com ótimos solos, levadas e viradas de tempo.

Pra encerrar a participação do Flageladör no CD, vem a faixa “Filhos da Bomba”, um cover do Celso Blues Boy de 1984. E que ótima escolha para fazer um cover. Essa música nasceu para ser metal. Com uma letra que se encaixaria em qualquer banda de metal cujo alvo é o protesto e arranjos com uma “alma pesada”. A nova roupagem que o Flageladör deu à música faz parecer que ela foi criada assim. Ótima versão de uma ótima música.

AXECUTER:

Muda-se a banda e um pouco o estilo, mas peso e velocidade são mantidos. O Axecuter possui uma veia mais Heavy Metal, mas também possui elementos de Thrash Metal. A velocidade é uma de suas principais características.

A faixa “Attack” abre a participação da banda no CD com riffs palhetados bem trabalhados e uma cozinha bem redonda. Vocal agressivo e limpo, tornando fácil sua compreensão. Boas levadas conduzidas pela bateria, marcando bem o pedal duplo.

“Creatures In Disguise” com uma excelente e marcante levada e um dos melhores riffs da banda neste registro, além de um ótimo e também marcante refrão. Basta ouvir uma vez para não esquecer mais o nome da música.

“In For The Kill” também possui um bom refrão, com um belo trabalho dos vocais em conjunto com as guitarras e seus solos, que fogem do óbvio.

“Medieval Tyranny” é a faixa mais longa do split com 6 minutos e 25 segundos e provavelmente a mais trabalhada do Axecuter. Logo de cara já apresenta um ótimo arranjo das guitarras, com a cozinha marcando o tempo e os andamentos muito bem. Linhas de baixo facilmente destacadas. O Heavy Metal tradicional reaparece nesta faixa com as linhas de baixo e guitarra trabalhando em conjunto oferecendo um resultado pesado e conciso.

Pra fechar o split, a banda escolheu a faixa “Gimme More” do álbum “Lick it Up” de 1983 do Kiss para fazer o cover. E conseguiram um resultado fiel ao original, porém, obviamente mais rápido e mais pesado.

“Headbangers Afterlife” é um excelente registro de duas bandas de speed metal com muito a oferecer. Se você ainda não conhece as duas bandas, esse é um ótimo caminho para começar.

Flávio Diniz

http://morticinio.blogspot.com.br/2016/10/resenha-flageladoraxecuter-headbangers.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *